sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Sobrevivências *

* Texto publicado hoje no Jornal do Centro



1. Passou a sexta-feira 13, passou o S. Valentim, passou o carnaval de peles roxas de frio, passou até o entrudo de Lazarim mai-las suas belas máscaras de amieiro. Sobrevivemos.

A sra. dona Maria Luís Albuquerque deu-nos mais uns dias para registo de facturas. Depois havemos acertar as contas do IRS. E sobreviver.


Fotografia daqui
As ditas "redes sociais" estão sempre à-beira-de-um-ataque-de-nervos: ora é por causa do cachecol Burberry do sr. Varoufakis (comprado há uns anos pela mulher dele por cinco euros), ora é por causa da mala Hermès da sra. Lagarde (que ela comprou por 5750 dólares na Quinta Avenida). Havemos de sobreviver desde que o Facebook continue a ter vídeos cutchi-cutchi de gatinhos e pensamentos de Fernando Pessoa que ele nunca escreveu.

A terceira guerra mundial já começou, alarmou-nos o sr. Günter Grass esta semana, enquanto descascava uma cebola. Relax! Nem a terceira guerra mundial nem o "surto gripal próprio da época" irão pôr problemas à nossa sobrevivência, sossegam-nos as barbas brancas do sr. Francisco George.

A ala ferrista-barra-socrática-barra-iscte do PS prefere a sra. dona Manuela Ferreira Leite à sra. dona "Constança" Vitorino para "presidenta" da república. Problema nenhum: se estamos a conseguir sobreviver ao actual inquilino do Palácio de Belém, também sobreviveremos aos pontapés da sra. dona Manuela na gramática e na lógica.

O presidente do Sporting fez mal em ter acabado com o black out na véspera do Sporting-Benfica. De qualquer forma, os lagartos vão sobreviver ao abrir da boca de Bruno de Carvalho. E para o ano há mais.

2. Luís Filipe, o homem que manda nas teias de aranha do auditório Mirita Casimiro, disse a este jornal, na semana passada, que a «pior verdade» é que «ninguém quer saber daquilo para nada» e que «o auditório está aberto, mas a actividade alguém a tem de ir lá fazer».

Aquela sala de espectáculos do centro de Viseu até a esta forma de pensar há-de sobreviver.

1 comentário:

  1. Sobrevivências e Subserviências

    1. O texto do sr Gato é muito abrangente e com um humor felino quase letal.
    Sobrevivências e subserviências são dois sinais dos tempos terríveis que estamos a atravessar e da ausência de esperança.

    Começo por recordar o poema, na versão mais conhecida – «Primeiro levaram os judeus, // mas não falei, por não ser judeu. // Depois, perseguiram os comunistas, // Nada disse então, por não ser comunista. (…)» – publicada em 1933 e da autoria de Martin Niemöller (o pastor luterano alemão antinazi que um dia interpelou pessoalmente Hitler e por isso pagou elevado preço) a que junto:

    “… Ser solidário assim tão longe e perto
    No coração de mim por mim aberto
    Amando a inquietação que permanece
    Pr’além da inquietação que me apetece
    foi como me lembrei de começar …”
    “Ser Solidário” – José Mário Branco

    Até há pouco, a solidariedade parecia corresponder a um irreversível sinal de desenvolvimento. Mas a mudança brutal dos códigos sociais a que temos assistido está a alterar rapidamente a afirmação desse sinal. O sociólogo Émile Durkheim falava da solidariedade como um elo moral capaz de unir os indivíduos do mesmo grupo e de funcionar como factor de coesão. Sem ela, as sociedades dissolver-se-iam e os humanos voltariam a viver em bandos, centrados na sobrevivência e numa interminável guerra de todos contra todos.

    Numa notável entrevista ao caderno 2, do Público, (26 de Maio de 2013) António Sampaio da Nóvoa, referia-se numa frase certeira àqueles que, na actual situação de completo aviltamento da vida dos portugueses e da própria independência do país, imposto por políticas cegas e criminosas que estão a empenhar o futuro que é de todos: «em tempos tão duros como os de hoje ninguém tem o direito de ficar em silêncio». Vale a pena sublinhá-la porque é disso mesmo que se trata: quem cala consente, quem nada faz porque pensa que não vale a pena cava a própria sepultura, quem se refugia na vidinha estritamente caseira, pessoal, e esquece o colectivo, pagará por isso.

    E aqui chegamos à Grécia, que, nas actuais circunstâncias, é um indicador de futuro para os países e as populações que mais carregam o peso da crise económica e política. O mundo da finança e político europeu (com dois socialistas (!!!) no topo) continua a querer fazer dela um exemplo, e na tentativa de punir o Estado da zona euro que lhe parece mais frágil, continua a fazer uma forte pressão e a colocar o governo numa situação dramática. No entanto, é lá também que se começam a definir as alternativas. Se todos os olhares se voltam para Atenas, é porque se torna urgente escolher a Europa que se quer reerguer. Será um combate pela construção de uma alternativa justa e democrática. A história dos últimos dias e horas obriga-nos a repensar o futuro e os modelos, sem dúvida, mas também nos desafia a olhar a realidade e a procurar soluções.

    “Pr’além da inquietação que me apetece”, diz o José Mário Branco e se, por cá, pudéssemos vislumbrar uma alternativa política, uma viragem associada a uma política mais solidária e mais justa, menos cínica e insensível, que propaga uma perigosa indiferença, estaríamos a construir a diferença, assente numa aproximação das esquerdas, assente num programa partilhado de reabilitação do país, de reconquista da dignidade, a contrariar o desânimo e a mobilizar a maioria dos cidadãos para a regeneração da democracia.

    Alfredo Barroso (mais um nome convenientemente colocado na prateleira do esquecimento) no seu livro – “A Crise da Esquerda Europeia” - coloca o dedo na ferida: «como explicar que o evidente fracasso do neoliberalismo não tenha provocado uma forte reacção política e um sobressalto ideológico dos partidos da esquerda europeia que alternam no poder com partidos de direita?».

    2. Sobre o ponto dois (Mirita Casimiro), apenas e só a constatação local do “atavismo português curto de vistas e instalado no endémico marasmo”, ou seja a minha quinta, o meu quintal e a minha horta…

    ResponderEliminar