quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Catapulta

Fotografia de Bharat Sikka

Na sanita, sangue e merda. Ponto de fuga. A dimensão. A imensidão. A escolha. O fumo. O copo. A cama a ferver. O gato. O gin sempre cheio. A rosa negra embalsamada. O prazo de validade. A tua boca. A tatuagem no bolso para qualquer imprevisto. A cruz de Cristo. Este cardeal. Caravela. As veias, as mãos. Não tenho ar. O pulso. A pulsão. A distância tão fácil de. Garganta. Nó. O carro. A viagem. Deixar-te à deriva. Desejo. Queda. Vai embora. Volta. Pára. Poder nunca mais. Uma fábrica de fumo verde. A rosa negra. O quarto no castelo. A praia. O cheiro do Sul. Não aguento. Raquel, Rita, Mário, Mãe. O meu Pai tão lá no alto por ser tão maior. Mana. Os brincos. Fada. Agulhas certeiras. Hospital. Tu. A tua boca. As tuas ancas. O volume nas calças. Playlist. Mãe, não me abraces assim. Sou a filha inglória.


Intermitências.


Não consigo respirar. Quero uma outra cicatriz. Quero que a minha bola de sabão se perca. Quero um banho num outro mar. Não tenho ar. Tenho sempre o mesmo lápis. A morte vem enfeitada — preparar o coração em Lótus. Derreter. Guiar. Trespassar. As coisas são invisíveis. As nuvens são um avião. Tremble like a flower. Raquel. Respira, Raquel, respira. O tempo aprazado. Da rosa fixa. A rosa negra fixa. Violenta. Tanto barulho! Não aguento. Eu retiro-me. Ostra.


Poder dizer a verdade. Poder não andar com carteira. Poder ser automática.


Milhões, Pedro, milhões. O volume nas calças. A boca. Milhões.


Dever não sentir nada. Amo-te. Vai embora. Volta. Pára. Não me escrevas. Não me digas absolutamente nada. Não digas que gostas. Volta. O teu corpo é o meu corpo. Hóstia. Toda.


Estou salva. Não tenho medo. Vagabunda. Tréguas. O meu seio direito. Dizer que se foda. Inclinar-me. Sem casa. Debruçar-me. Não cair. Cair verticalmente no vício.


Dói-me. Tenho dores brancas.


I should kill myself. É vazio. É vasto. Young Gods. Ministry. Vicious, you hit me with a flower. Fogo. Não posso tocar em nada.


Não ofereças as tuas mãos a ninguém, Anita.


Não cumpri a lista. Não dei nada. Concha. Não aguento. Butterfly drowned in wine. Give me some room.


Sweet Jane e alivia.


Sempre o mesmo lápis, faz cair a pele dos meus dedos. Treinar a esquerda. Incapaz da direita. Tenho dores tão brancas. Tão brancas.


Ambitudo. Politudo. Serpente. Cristal.


Limpar e depois sujar. Depois, sujar de novo.


Ederlezi. Há pessoas que são laranjas no chão.


I’m falling. I’m falling.


Arranhar devagarinho.


Temer um pouco.


Atirar a pedra.


The big beat.
Patrícia Baltazar





Sem comentários:

Enviar um comentário